O que é e como iniciar no metagame VGC

Olá, treinadores!

Desde 2015 tem sido incontestável a afirmação de que o VGC tem crescido no Brasil. A procura por informações logo aumenta e, atualmente, uma das barreiras que mais impedem jogadores de avançar nesse cenário competitivo é a falta de conteúdo e boas referências em português sobre o tema. Nesse texto buscarei facilitar as coisas para você. Dentre outras coisas vou explicar o que é essa modalidade de jogo e como você pode começar jogá-la, bem como traçar boas indicações de caminhos a percorrer nessa sua nova jornada. Vamos lá!

O que é o VGC?

VGC é a sigla para Video Game Championships. Esse é o formato oficial da The Pokémon Company International (TPCI) para as suas competições. O formato é sempre com batalhas em dupla (dois Pokémon em campo; não confundir com multi battles), com a escolha de 4 dos 6 Pokémon. A maioria dos torneios oficiais adota partidas melhores de 3 e a cada ano as regras não renovadas, mudando bastante. O conjunto de regras do metagame VGC muda todo ano, por isso se fala em metagame VGC’2015, VGC’2016, VGC’2017 e assim por diante.

Logotipo do formato VGC.

Qual a diferença em relação à Smogon?

A TPCI apenas começou a organizar suas competições oficiais em meados de 2009. Ou seja, foram mais de 10 anos sem torneios oficiais. Com o passar do tempo foi necessário uma padronização de regras, e por isso a comunidade Smogon passou a imperar e a organizar o formato para deixá-lo mais equilibrado. Devido a esse tempo todo, a Smogon se popularizou e hoje em dia “Smogon OU” é o formato mais jogado. A Smogon é algo criado e administrado totalmente por fãs, ou seja, as suas regras não tem nenhum alcance no VGC. É comum ver pessoas confusas com monstrinhos de bolso usados em VGC e que são banidos na Smogon.

É importante perceber que VGC não é uma tier. Tiers – como já foi falado em outra oportunidade – são os formatos utilizados pela comunidade Smogon e ela, como já dito, não tem nenhuma influência no VGC. Os formatos da Smogon e o formato VGC são distintos, ou seja, um não tem nenhuma influência no outro.

Outra diferença é que o VGC é sempre jogado em Double, mas nem toda Double é VGC. Nem toda modalidade de Double do battlespot é VGC. Antes de Sun/Moon o VGC ficava sempre na ladder Special do Battlespot, mas volta e meia era substituído por alguma outra modalidade. Contudo, na geração 7 foi criado uma ladder específica para o formato – nos jogos Sun/Moon por exemplo, para acessá-la basta ir nas “Rating Battles” e selecionar “Championships Battle”. No mais, caso deseje jogar com amigos será necessário acessar o Battlespot para fazer o download das regras de VGC (Double Battle – World Championship Rules), pois há diferenças em relação às regras de Double que vêm como padrão no jogo.

Eu só jogo Singles, quais as diferenças?

As diferenças são grandes.

Primeiro que, salvo exceções, em Singles são utilizados todos os 6 Pokémon. Em VGC são escolhidos 4 dos 6 Pokémon. Isso torna possível utilizar mais de uma estratégia no mesmo time. Por exemplo, ter um modo Trick Room e um modo Tailwind. Singles possui batalhas mais demoradas, muitas vezes passando de 100 turnos. Já no VGC as batalhas são mais rápidas, na maioria das vezes durando em torno de 10 turnos.

Em Doubles há vários tipos de golpes e estratégias que não são muito viáveis em Singles. Por exemplo, um Pokémon pode usar Helping Hand para dar um acréscimo no dano do parceiro naquele turno, permitindo assim conseguir um KO que normalmente não conseguiria. Ou então pode usar um Follow Me para atrair os golpes e permitir que o Pokémon parceiro faça um SetUp (dar um Dragon Dance, por exemplo). No mais, times baseados em climas costumam se dar melhor em Doubles do que em Singles, pois o Pokémon que abusa do clima (que nem sempre é o mesmo que o invocou) pode estar em campo desde o primeiro turno em que o clima foi invocado. Pelo fato de VGC ter batalhas rápidas, o clima permanece na maior parte do tempo, mesmo sem o uso de itens que aumentam a duração do mesmo. Em singles muitas vezes é necessário gastar um ou mais turnos trocando e, já que a troca geralmente é bastante óbvia, nem sempre dá para fazê-la diretamente.

Por outro lado, há também técnicas de Singles que não funcionam em Doubles, como é o caso de Stealth Rock. Em Singles, pelo fato da batalha ser longa, o dano desses hazards são bem interessantes, mas em Doubles, por ser muita curta e com poucas trocas, esse dano é quase irrelevante. Dessa forma, não compensa gastar um turno para jogar hazards por um dano que será menor do que se o jogador tivesse atacado diretamente.

Em Doubles, talvez o principal movimento seja o Protect. É importante ter esse movimento no máximo possível de membros do time, pois dar Protect permite salvar um Pokémon relevante (e que por acaso é o foco de ataque do seu oponente) enquanto o parceiro derruba o oponente. Serve também para que seu Pokémon também não receba dano enquanto o parceiro levanta um Trick Room ou Tailwind; por outro lado, ajuda inclusive a gastar turnos de Trick Room/Tailwind do adversário. Isso tudo sem falar que muitas vezes um Pokémon ameaça tanto que o adversário decide atacá-lo com os seus dois bichos. Fazer uma previsão certa te permite proteger e ter o turno livre para movimentar com o Pokémon parceiro.

Outra diferença notável é que Pokémon muito fortes em Singles nem sempre são tão ameaçadores em Doubles. Isso porque há sempre duas ameaças ao mesmo tempo contra ele. Ou seja, aquela Pheromosa que pode levar um time todo em Singles pode atacar um Protect e levar KO do seu parceiro sem nem ter feito algo. Em VGC 2016, por exemplo, Mega Rayquaza mal conseguia se manter no Top 10 de Pokémon mais usados, justamente por ser muito frágil.

Como não são aplicadas as regras da Smogon no VGC, não há bans a não ser os que a regra atual proibir. Por exemplo, em VGC’17 somente é permitido o uso dos Pokémon que estejam na Pokédex de Alola, exceto Pokémon Guardiões e Míticos. Ou seja, Aegislash (mesmo capturado em Alola, na Island Scan) não é permitido. Não há Sleep ou Evasion Clause, mas é proibido repetir itens (Item Clause).

Me interessei, como faço para iniciar?

Primeiro de tudo, caso você seja um novato no competitivo em geral e esteja com dificuldades de entender vários termos citados neste texto, é recomendado fazer uma leitura aqui: http://tinyurl.com/livro-online. Esse é um livro escrito pelo jogador Yan Sym que, embora possa estar desatualizado para a geração atual do game, irá lhe apresentar diversos termos utilizados no jogo e uma abrangência suficientemente boa para que você se adeque ao modo de pensar do jogo competitivo. O livro é focado em Single Battles, mas a boa parte dos termos apresentados na parte “iniciante”(cap. 4) e parte do “intermediário”(cap. 5) são úteis em VGC também.

Entre tantas outras recomendações, o principal conselho é praticar e assistir vídeos de jogadores famosos como Cybertron, Wolfe Glick e Ray Rizzo. Em português temos o LJDarkrai com uma série de vídeos de VGC. Assistir os grandes torneios também ajuda, sempre tem alguma live stream rolando pelo mundo.

Para praticar é recomendável iniciar copiando times famosos e utilizando-os. Jogadores iniciantes normalmente não gostam dessa prática, mas é a mais eficiente. Utiliza-se um time comprovadamente bom para se ambientar ao metagame e depois que estiver acostumado poderá tentar construir suas próprias equipes. Essa prática é eficiente porque um time é bom de acordo com o metagame. Em VGC o metagame costuma ir mudando ao longo do ano, então criar um time do zero sem conhecer o tipo de jogo fará com que a equipe não seja eficiente o bastante, já que ela pode não ser bom contra as ameaças mais comuns do momento.

É altamente recomendado praticar na plataforma Pokémon Showdown. No Showdown você poderá testar seus times à vontade e com muito mais velocidade do que se jogasse no console. Dessa forma poderá fazer os times no console somente após testar e ter certeza que funcionam bem, evitando gastar tempo com um time que talvez não seja muito bom e acabe sendo encostado logo em seguida. Destaca-se que no Showdown todos iniciam na parte mais baixa da ladder, enquanto que no console todos iniciam nos 1500. Ou seja, no console se perder a primeira poderá baixar o rating, diferente do Showdown. Isso implica, teoricamente, que no Showdown a parte mais baixa da ladder é mais fácil do que a parte próxima dos 1500 do Battlespot. É necessário subir consideravelmente na ladder do Showdown para ter uma real visão do desempenho do time e evitar frustrações com times que funcionam no Showdown mas que não vão tão bem no Battlespot.

Pratique no Pokémon Showdown para um feedback mais eficaz.

Outro ponto importante sobre a prática é que há uma grande diferença entre BO1 (best of 1) e BO3 (best of 3). Em BO1, ou “melhor de 1”, a sorte tem uma influência bem maior no resultado final, pois um freeze, um miss ou um flinch podem alterar todo o andamento do jogo. Em BO3 existe o fator sorte também, mas isso fica diluído e há formas de contornar após compreender a forma e o plano de jogo do adversário. Por exemplo, se o adversário utiliza um Pokémon com Choice Scarf e decide dar spam de Rock Slide numa BO1 o fator surpresa é o primeiro a pesar, pois nem sempre se sabe que determinado Pokémon possui esse item. Então o jogo pode ser perdido porque pode haver um ou mais flinchs. Numa BO3 pode-se adaptar e trazer algo para controlar a velocidade e subir um Tailwind ou dar Trick Room, e então não vão haver flinchs e o Pokémon com a Choice Scarf passará a estar em enorme desvantagem. Outro ponto sobre BO1 é que ele incentiva o uso de gimmicks, que são táticas inesperadas ou difíceis de lidar e que vão ter muito mais sucesso do que em BO3. Por exemplo, em VGC 2015 um time que ficou popular no final da temporada foi de um japonês que possuía Tauros com a habilidade Anger Point e um companheiro com algum golpe que sempre dá crítico (geralmente Frost Breath). Em BO1 era difícil lidar com isso, pois muitos não esperam essa estratégia e mesmo que esperassem não sabiam todas as techs dele, mas numa BO3 podemos adaptar o time para nos livrarmos logo de um dos Pokémon do adversário e impedir que a tática funcione. Ou seja, há muitas diferenças entre jogar com e criar times de BO1 e BO3. Nem sempre aquele time utilizado com sucesso na ladder do Showdown ou do Battlespot irá funcionar da mesma forma num torneio oficial.

Conhecendo o metagame fica muito mais fácil criar um time. Passamos a ser capazes de escolher um Pokémon ou um core que seja bom atualmente e em seguida ir cobrindo as fraquezas dele e cobrindo ameaças do metagame.  Também é importante acompanhar a Trainer Tower (TT) para ler os reports mais recentes, ver os resultados dos grandes torneios e acompanhar outras análises. Na TT há estatística de utilização dos Pokémon no Global Link e no Showdown. Lá há também calculadoras focadas para o VGC e muitos outros guias.

Participe do VGC Brasil também!

Aqui no Brasil temos a página e o grupo no facebook “Pokémon VGC Brasil [Oficial]” que tem sido a referência no assunto e tem reunido os principais jogadores e organizadores. É um caminho para encontrar pessoas para tirar dúvidas e para praticar.

Noções básicas de Teambuilding

Antes de iniciar a criação de um time (Teambuilding) é fortemente recomendado que você pratique bastante. Utilize times standards no formato, pré-prontos e com o foco em conhecer o metagame. Assim ganhará conhecimento em como lidar com os times presentes no metagame e irá aprender como reagem ao seu time. O ideal é testar times diferentes.

Após alguma prática, poderá começar a brincar com os EV Spreads do seu time. Todo spread tem um propósito, principalmente aqueles complexos, mas se há algum Pokémon que é problemático poderá adaptar a spread para que possa lidar melhor com ele. Por exemplo, em VGC 2016, com poucos EVs em HP e Defesa, Mega Kangaskhan aguentava Life Orb Dragon Ascent de Mega Rayquaza, bem como podia devolver um grande dano com Return ou Double Edge, tornando-o um alvo fácil para o parceiro derrubar. Outro exemplo é que em VGC 2017 é muito comum Garchomp ter um pouco de EVs na Defesa Especial, o que visa impedir que Porygon2 com a Ability Download suba o Especial Ataque ao entrar em campo, permitindo que Garchomp resista ao Ice Beam daquele Pokémon – dessa forma poderia dar um Sword Dance e depois finalizá-lo com um Z-Move. Use e Abuse de uma calculadora de EVs para obter uma visão melhor dessas possibilidades, que fazem uma diferença enorme. Os reports dos jogadores que venceram grandes torneios sempre vêm junto com cálculos justificando o uso daquele spread.

Campeões da categoria Masters no torneio Intercontinental realizado no Brasil, em 2017.

Tendo toda essa noção prévia, em seguida já é possível se aventurar na criação de um time próprio. É importante ressaltar que um Pokémon é considerado bom de acordo com o metagame. Se há muitas ameaças ele irá acabar sendo pouco usado no time, sendo que poderia ser substituído por outro mais útil. Sableye, por exemplo, tem uma boa utilidade com Fake Out, Will-O-Wisp e Quash, mas se Tapu Lele for bastante popular no jogo ele acaba ficando inútil em muitas batalhas. Dá pra contornar isso adicionando outro Tapu no time para mudar o terreno, mas será que sempre vai poder ficar mudando o Tapu só para mudar o terreno por causa do Sableye? Essa troca acabou sendo um turno a menos que poderia ter sido usado para causar dano. Além do mais, em uma BO3 será que a troca pelo Tapu não será algo muito óbvio? O adversário poderá usar um golpe que cubra essa troca já prevendo a sua entrada. Em VGC 2016 o Yveltal era um Pokémon muito forte, mas não era tão comum por causa da ameaçadora presença de Xerneas durante toda a temporada.

Esse mesmo pensamento vale para um time também. Por exemplo, um time focado em full Trick Room não vai ser tão eficiente se o metagame estiver com muitos times de Trick Room. Um time de chuva irá sofrer se houver muitos Gastrodons sendo utilizados, e um time de sol pode não ser muito eficaz se houver muitos Pokémon que resistem aos golpes fogo sendo utilizados – por exemplo, um time de Torkoal sofre num metagame cheio de Arcanine, Garchomp e Tapu Fini, pois não poderá dar spam de Eruption à vontade. Quando o metagame não é favorável o ideal é utilizar algum outro tipo de time. Ainda é possível utilizar um desses (que têm matchup desfavorável), mas você precisará ter em mente que precisará se desdobrar para lidar com ameaças tão comuns; precisará dar um suporte maior do que o normal e isso pode implicar em muitas derrotas, pois nem sempre vai ser fácil fazer tudo isso contra um jogador experiente.

A apreensão por uma luta assistida ao vivo.

Partindo para o Teambuilding, o ideal é sempre escolher algum Pokémon ou Core (combinação, núcleo) que goste e de preferência que não seja ruim contra o metagame (por isso a importância de praticar). Em seguida ir completando esse time com bichos que cubram as fraquezas dele e ao mesmo tempo ajude a lidar com tudo o que está presente no metagame. Para um novato, talvez o ideal seja criar uma lista de tudo o que o time precisa cobrir. Essa lista é particular de cada um, já que nem todos têm dificuldades contra as mesmas coisas. Nessa lista incluiremos todos os Pokémon comuns que sejam fortes por si só, Cores comuns, speed control (Tailwind, Trick Room, por exemplo), climas, entre outros.

Vá montando o time e tendo certeza de não estar fraco a algo dessa lista. É muito importante ter sinergia no time e evitar ao máximo repetir tipos, a não ser que tenha um propósito plausível. Sobre sinergia, é legal sempre pensar se consegue ter trocas para o máximo possível de tipos de golpes. Um exemplo de Core que consegue boa sinergia é o FWG (Fire-Water-Grass). Se vier um hit de água no Pokemon de fogo, você tem dois parceiros que resistem. O mesmo vale para os golpes de água e planta. É um core que consegue uma excelente sinergia. Em VGC 2017 um bom exemplo é o AFK (Arcanine, Tapu Fini e Kartana). Outro Core comum é o Fantasia (Fada-Dragão-Metal). Uma troca tomando quase nada de dano pode ser importante para ganhar momentum na partida e pressionar o adversário no turno seguinte, pois pode forçá-lo a fazer trocas. Partir de um desses Cores também pode ser um bom ponto de partida para a criação de um time.

Concentração nas batalhas e boa sorte!

Ressalto que essas são apenas noções básicas e superficiais, na prática é muito mais profundo e há mais coisas a serem levadas em conta. Procurar algum jogador mais experiente pode ser de grande ajuda enquanto se é novato na criação de times. Mesmo os mais experientes sempre buscam feedback de outros jogadores, pois estes podem perceber algo que aqueles não notaram inicialmente. O grupo no facebook do VGC Brasil é um bom lugar para ter ajuda sobre isso.

Legal! Como faço para jogar torneios oficiais?

Para poder participar é preciso comparecer no torneio com o time feito no console (3DS, 2DS) e também com a sua ID de treinador. Para criar a ID basta seguir o tutorial da COPAG (mas marcar as opções de VGC ao invés de TCG):
http://www.copag.com.br/pokemon/como-vincular-a-sua-conta-na-play-pokemon-a-um-player-id/

Para procurar torneios na sua região, utilize o link abaixo:
https://www.pokemon.com/us/play-pokemon/pokemon-events/find-an-event/

Os torneios oficiais sempre são organizados com o sistema suíço e top cut. O suíço é a fase com alguns rounds onde todos jogam em todos os rounds para determinar o top cut com os melhores rankeados. O top cut é a fase eliminatória, equivalente a um “mata-mata”. Para saber mais sobre as regras, o circuito e os torneios leia aqui:
http://pokeevo.net/artigos/como-funcionam-os-eventos-vgc/

Links importantes

Resultados, Análises e Reports (inglês): http://www.trainertower.com/
Grupo no facebook: https://www.facebook.com/groups/vgcbr/

Regras do VGC 2017:
http://pokemonmegagenbr.com/regras-vgc-2017-traduzidas/
http://www.pokemon.com/us/pokemon-news/a-new-pokemon-vgc-format-starts-in-december/
http://www.pokemon.com/us/play-pokemon/about/tournaments-rules-and-resources/

Utilitários:
http://www.trainertower.com/damagecalc/
http://trainertower.com/survivalcalc/
http://www.trainertower.com/vgc-2017-speed-tiers/
http://trainertower.com/usage-stats/
http://www.trainertower.com/vgc-17-ev-spread-compendium/
http://pokemonforever.com/teambuilder.php
https://richi3f.github.io/pokemon-team-planner/
https://www.youtube.com/watch?v=g2GbFV1qKnE (Guia de teambuilding do VGC 17)

Canais no youtube:
https://www.youtube.com/user/LJDarkrai
https://www.youtube.com/user/CybertronProductions
https://www.youtube.com/channel/UC9OZkS1Mhl5UvKSiPrYqsxg (Wolfey)
https://www.youtube.com/user/YoshiSkillz
https://www.youtube.com/channel/UCUV4fC_HlxFe_Fwlybh2XiA (Ray Rizzo)
https://www.youtube.com/user/JamesWBaek
https://www.youtube.com/channel/UCwSLlIlGeZpRReeEA9IfoLQ (Hibiki)
https://www.youtube.com/channel/UCIfDTHbk8UzZPARGM3djxRg (VGC Brasil)

Links gerais:
http://pokeevo.net/artigos/tomando-notas-em-batalhas-pokemon/
http://pokemonmegagenbr.com/mundo-competitivo-megagen/smogon-x-vgc/
http://www.nimbasacitypost.com/2017/03/vgc-2017-teambuilding-guide.html
http://www.smogon.com/forums/threads/guide-to-team-preview-in-vgc-wip.3461969/
http://www.nimbasacitypost.com/2016/09/vgc-tips-3-team-preview.html
http://www.nintendoblast.com.br/2015/01/pokemon-competitivo-vgc-doubles-parte-1.html
http://www.nintendoblast.com.br/2015/01/pokemon-competitivo-vgc-doubles-parte-2.html
http://www.nintendoblast.com.br/2015/01/pokemon-competitivo-vgc-doubles-parte-3.html
http://www.nintendoblast.com.br/2015/01/pokemon-competitivo-vgc-doubles-parte-4.html
http://www.nintendoblast.com.br/2015/02/pokemon-competitivo-vgc-doubles-parte-5.html
http://www.nintendoblast.com.br/2015/03/pokemon-competitivo-vgc-doubles-parte-6.html
http://www.nintendoblast.com.br/2015/03/pokemon-competitivo-vgc-doubles-parte-7.html
http://www.nintendoblast.com.br/2015/03/pokemon-competitivo-vgc-doubles-parte-8.html


Pessoas que colaboraram: Agradeço ao LJDarkrai, Fábio Alexandre, Fernando Guedes, Luca Meneguin, Carlos Agarie, Caio Romanini, Gabriel Menegon, Ruben Pereira, Luiz Valle, Igor Maia, André Fumis, Yan Sym e a todos que possam ter ajudado indiretamente.


O que são Tier Lists

Esse texto se baseia na montagem das Tier Lists segundo o formato de jogo e a lógica da Smogon, a comunidade fixada como referência para o Pokémon competitivo a nível mundial. O formato VGC, dos torneios oficiais da Pokémon Company, não é uma Tier e sim um formato completamente diferente do proposto pela Smogon e, portanto, não será o foco desse guia.

O que são as Tier Lists?

As Tier Lists são listas que separam os Pokémon em grau de usagem e potencial competitivo. Essa divisão não é feita, a princípio, de maneira manual, segundo a vontade de alguém, mas o próprio jogo competitivo naturalmente vai se organizando dessa forma.

Vejamos, as pessoas querem vencer uma batalha, certo? Logo, usarão os melhores Pokémon para isso. Assim, certos Pokémon acabam sendo bastante usados pela grande maioria dos jogadores, sendo que os menos efetivos acabam sendo pouco utilizados, o que gera uma correlação lógica entre uso e potencial competitivo, dando forma às Tier Lists.

Por que são montadas Tier Lists?

Antes de desenvolver a questão, devemos esclarecer o que é um “metagame“.

O termo metagame possui um significado amplo no meio gamer, mas em Pokémon podemos entendê-lo como a forma como o jogo competitivo se estrutura: os Pokémon que o integram, como cada um tende a ser usado em batalhas, como eles podem ser usados em conjunto, as estratégias que normalmente carregam etc. Entendamos, portanto, metagame como o jogo competitivo em sentido amplo.

Cada Tier List representará um metagame específico, pois em cada uma delas estarão alocados Pokémon com potenciais competitivos semelhantes. Sabendo disso, podemos prosseguir.

As Tier Lists buscam balancear o jogo competitivo, garantindo que um Pokémon somente seja usado frente a outros que possuam um potencial competitivo semelhante. Assim, procuram garantir que nenhum Pokémon seja poderoso demais ou centralize o metagame todo em torno de si mesmo de maneira a desequilibrá-lo.

Sem chances para o Machamp…

Isso é extremamente importante, pois garante a verdadeira competitividade do jogo. Uma das coisas que a Smogon busca evitar com a organização do metagame em Tiers é uma inviabilidade de “match up“. Trata-se da situação na qual, ao ter contato com o Team Preview do adversário, você desde logo se dê conta de que não importa o que faça, você não conseguirá derrotá-lo, pois os Pokémon dele são totalmente superiores aos seus ou que você não possui alternativas para contra-atacar a estratégia dele e assim por diante. Essa seria uma situação onde fica claro um grave desequilíbrio no metagame, o que felizmente não ocorre graças à sua organização em Tiers.

Ao separar os Pokémon em grupos, as  Tier Lists buscam criar condições dentro das quais o máximo possível de Pokémon sejam jogáveis competitivamente, bem como garantir uma certa estabilidade no jogo para que, na maioria das vezes, a vitória seja dada ao melhor jogador – aquele que se mostrou mais hábil na construção do time e no uso dos movimentos em batalha, e não àquele que dependeu apenas de um Pokémon “apelão” para vencer.

Obs: Além de dividir os Pokémon, cada Tier ainda possui um conjunto de regras para suas batalhas e afins, mas não nos aprofundaremos nelas nesse guia. Elas, contudo, estarão sempre listadas em um torneio no qual você venha a participar.

Classificação das Tier Lists

Como já vimos, cada Tier representa um metagame e irá ditar quais Pokémon podem ser usados nas batalhas que o tiverem como regra. Alguns exemplos são:

  • Uber metagame (Uber) – Ban List com Pokémon fortes demais para as demais Tiers.
  • OverUsed metagame (OU) – Pokémon muito usados (com maior potencial competitivo).
  • UnderUsed metagame (UU) – Pokémon pouco usados (com menor potencial).
  • RarelyUsed metagame (RU) – Pokémon raramente usados (com pouco potencial).
  • NeverUsed metagame (NU) – Pokémon praticamente nunca utilizados (com ínfimo potencial).

Para consultar todas as existentes, bem como os Pokémon que as integram, consulte a relação de Tiers e Formatos de jogo da Smogon.

Cada metagame engloba diferentes Pokémon, contudo o posicionamento de um Pokémon em uma Tier específica não significa que ele permanecerá lá permanentemente. Conforme as pessoas se envolvem nas lutas competitivas e mudam-se as gerações, novas estratégias podem surgir, novos movesets e formas de usar aquele Pokémon podem ser descobertos, o que pode fazer com que o Pokémon passe a ser mais usado em lutas e/ou desequilibre a Tier em que se encontra, levando à sua mudança de classificação.

A Smogon é a autoridade do Pokémon competitivo.

A regra que se tira disso é que os Pokémon pertencentes a uma determinada Tier somente podem competir com outros Pokémon que também pertençam àquela Tier. Contudo, também é permitido o uso dos Pokémon que pertençam às Tiers abaixo dela. Por exemplo, em batalhas sob o metagame UnderUsed, você também poderá utilizar Pokémon das Tiers RarelyUsed e NeverUsed, mas não poderá fazer uso dos Pokémon OverUsed.

Com a lógica competitiva dividida em Tiers, a forma de se jogar com determinado Pokémon pode mudar completamente quando considerado no metagame dentro do qual se insere, pois ele precisará ser efetivo contra aqueles Pokémon e, para isso, irá recorrer a movesets diferentes. O Pokémon pode ser totalmente inútil em meio aos OverUseds, por exemplo, mas ser uma das melhores opções de jogo para o metagame NeverUsed. Isso tudo cria um formato de jogo completamente único, aproveitando estratégias bastante peculiares e, como já dito, permitindo que cada Pokémon encontre um modelo de lutas do qual possa participar.

Ban Lists e Pokémon “broken”

O problema na divisão em Tiers surge quando um Pokémon se torna broken no metagame ao qual pertence, pois, embora compartilhe do mesmo nível de usagem dos demais Pokémon que se incluem naquela Tier, ele ainda assim quebra aquele equilíbrio desejado no jogo competitivo. Isso pode ocorrer em três hipóteses:

  1. O Pokémon é muito forte em comparação aos demais da mesma Tier;
  2. O Pokémon inutiliza completamente um determinado estilo de jogo;
  3. O Pokémon limita o número de respostas possíveis a ele, fazendo com que poucos Pokémon possam entrar com segurança para combatê-lo.

Pokémon assim geralmente restringem bastante a construção de times, pois se as equipes não quiserem ser dizimadas por ele precisarão sempre estar munidas com uma resposta à altura para enfrentá-lo. Em situações como essa diz-se que o Pokémon centralizou o metagame, o desequilibrou, e justamente por isso sua provável remoção precisa ser analisada.

Imaginemos uma situação em que um Pokémon é pouco usado, caso em que pertenceria à Tier UnderUsed, mas também é forte demais para permanecer nela, então como é feito? Bom, o Pokémon não pode simplesmente ser posto em OverUsed, pois não é muito usado e isso prejudicaria a lógica de montagem das Tier. Nesse caso, cria-se uma Tier intermediária para abrigá-lo, a qual funcionará como uma espécie de Ban List para o metagame originário do Pokémon – são as chamadas Tiers Borderline. O Pokémon fica banido de sua Tier “de origem”, mas poderá continuar a ser usado em Tiers superiores àquela. Aliás, a própria Tier Uber (já citada acima) funciona como uma Ban List, mas dessa vez do jogo como um todo, pois abriga Pokémon fortes demais para serem usados em OverUsed.

Por último, devemos compreender que o banimento de um Pokémon não é determinado ao livre critério dos responsáveis pela Smogon. A Smogon é uma democracia: todos jogamos esse jogo e devemos ser capazes de opinar sobre a sua organização competitiva. Sendo assim, foi criado um sistema de análise e votação sobre qual será o destino de um Pokémon logo que ele atinge o status de broken. A isso é dado o nome de Suspect Test.

Logo do Suspect Testing, como é divulgado pela Smogon.

Quando um Pokémon parece ser broken, os responsáveis pela organização do metagame da Smogon o colocam em Suspect (suspeita), o que sinaliza que ele passará por um período de análises por todos os jogadores para que possam, ao final, votar pela sua permanência ou não no metagame dentro do qual se insere. O período de Suspect do Pokémon dura em torno de três semanas, seguido logo após pelo início das votações, sendo que, ao final, caso a grande maioria opte por sua exclusão (60% ou mais dos votantes), ele será movido para uma Ban List.

Todos podem votar, basta que provem possuir gabarito para fazê-lo. Isso significa que a pessoa precisa, durante o período de Suspect Test, atingir uma pontuação suficiente (determinada pela Smogon) na Ladder do Pokémon Showdown para demonstrar que possui um conhecimento competitivo razoável e que por isso sua opinião merece ser considerada.

Com tudo isso exposto é possível perceber que elaborar regras para estruturar um metagame dentro do máximo possível de jogabilidade não é tarefa fácil: envolve coletar dados de usagem, analisar movesets, classificar os Pokémon, observar a influência de brokens, promover o Suspect Test, acompanhar os votantes e assim por diante. Por todos esses fatores, devemos realmente apreciar o trabalho que a Smogon faz e a influência positiva que sua presença traz para o desenvolvimento do Pokémon competitivo. Podemos dizer que ela realmente revolucionou a nível mundial a forma como olhamos esse jogo.

Com esse guia esperamos ter conseguido explicar no mínimo como tudo isso opera. Caso tenha maiores dúvidas continue lendo na EVO!


Tomando notas em batalhas Pokémon

Aviso: As informações abaixo serão mais direcionadas ao metagame VGC, embora os seus conceitos sirvam para todos os formatos de jogo que se apropriem das batalhas via console.


A importância de tomar notas

Esse guia começa a partir da noção de que é expressamente proibido o uso de quaisquer tecnologias externas ao jogo durante as batalhas de torneios oficiais da Pokémon Company. Isso significa que você não poderá tirar fotos do Team Preview do adversário, nem acessar sua PokéDex ou usar uma calculadora de dano.

Além disso, é importante levar em conta que, diferentemente do Pokémon Showdown, em torneios oficiais de VGC não temos uma quantidade de tempo razoável para pensarmos o nosso movimento. Por padrão são disponibilizados 90 segundos para a visualização do time adversário e outros 45 segundos para cada turno (escolhendo as ações dos dois Pokémon). Ademais, a batalha somente pode durar o máximo de 15 minutos.

Ne mesa, o console de um lado e o bloco de notas do outro.

Tomar notas pode ajudar você a elevar o nível do seu jogo, permitindo que você abra mão de se lembrar, por exemplo, qual moveset ou quais Pokémon o adversário carrega consigo – pois já os terá anotado em seu bloco ao passo em que o oponente os vai revelando – e foque naquilo que realmente interessa, como fazer o predict de forma acertada.

Em resumo você precisará sempre otimizar o tempo de suas decisões, bem como ter ao seu fácil alcance todas as informações que precisa para embasá-las e, para isso, tomar notas será extremamente útil.

Regras para tomar notas

Antes de irmos para as dicas de como tomar notas, vejamos as regras para elas segundo a Pokémon Company:

8 – Tomando notas

“Jogadores podem, durante um jogo, tomar notas relacionadas a ações que tenham acontecido durante aquele jogo. Jogadores podem escrever anotações durante uma partida e lerem-nas durante a mesma. Jogadores podem não querer compartilhar suas notas com outros jogadores, mas um juiz pode pedir para ver as notas de um jogador e pedir uma explicação delas. A folha de notas de um jogador deve estar em branco no começo de cada partida.

Jogadores devem tomar cuidado com o tempo que demoram para tomar notas, e não podem usar aparelhos que enviam ou recebem mensagens para fazer anotações. Um jogador não pode consultar notas de rodadas anteriores enquanto um torneio está em progresso. Notas escritas durante uma partida não podem ser dadas a outros jogadores durante o torneio.

Como um juiz pode pedir para ver as notas durante uma partida, o uso de códigos, cifras, abreviações e quaisquer outros métodos para obscurecer o significado das informações não é permitido. Adicionalmente, notas feitas por um jogador não podem conter informações erradas com a intenção de enganar a organização do torneio”.

Fora isso a Pokémon Company convencionou que abreviaturas tidas como “óbvias” são aceitas. Assim, se escrevermos coisas como “Ttar” ou “TWave” em nosso bloco de notas, não haverá problemas. De outro modo, haverá problema se você colocar algo como “Rock Dragon” no bloco de notas e isso se referir a um Tyranitar. É um código seu, algo cujo significado ou referência não podemos supor, e por isso torna-se inaceitável.

Quanto à folha de papel em branco, a grande maioria dos torneios ao redor do mundo aceita que ela possua uma espécie de modelo impresso, desde que não haja absolutamente nada escrito. Os usuários do fórum Nugget BridgeBrady1225 e Duck on Quack, fizeram uma versão modelo que pode ser impressa e é aceita na maior parte dos lugares. Você pode consultá-la e imprimi-la clicando qui, bem como ver um modelo semelhante em uso aqui.

De qualquer forma, é sempre bom procurar por um juiz do torneio antes de começar e pedir esclarecimentos quanto a poder ou não usar esse modelo. No final das contas, por garantia, leve sempre um bloco de notas em branco ou um pequeno maço de folhas de sulfite cortadas ao meio para poder fazer suas notas em formato livre caso outro não seja aceito.

Como tomar notas de maneira efetiva

Nas primeiras vezes que você tomar notas muito provavelmente irá se perder no tempo ou se confundir e anotar coisas não tão úteis. Isso é normal e é por isso que é muito importante se acostumar com o timer de jogo.

Cada pessoa funciona de forma diferente. Particularmente eu gosto do formato do modelo acima e, apesar de nunca tê-lo usado, a forma como eu faço minhas anotações é semelhante.

Anotamos na pressa, nem sempre sai algo digno de uma obra de arte.

Vou considerar aqui que você está usando uma folha em branco e explicar como eu tomo notas. Logo que o Team Preview começa, eu divido os 2/3 superiores da minha folha em 6 quadradinhos e insiro os Pokémon do Team Preview do adversário, na ordem em que eles aparecem. Aproveito e faço um asterisco em possíveis ameaças ao meu time, prováveis Mega-Evoluções e naqueles outros que achar relevantes no momento. No terço inferior eu anoto os Pokémon que o adversário levou para a batalha conforme eles forem sendo revelados.

Além disso, deixo um espaço para anotar os turnos passados de fatores que afetam a arena, o que é mais do que essencial para que eu possa calcular meus próximos movimentos assim que aqueles são ativados. Refiro-me aos moves ou Abilities que trazem uma condição ao campo e que possuem tempo definido para acabar, como o Weather (Rain, Snow etc.), o Terrain (Psychic Surge, Electric Surge etc.) ou outras condicionantes, como Trick Room, Tailwind, Gravity, Taunt, Reflect, etc.

Conforme os Pokémon do meu adversário me atacam, também vou anotando no quadradinho reservado a eles os moves que vejo usarem, bem como o item que estão segurando, caso eu consiga descobrir qual é. Isso é importantíssimo em batalhas melhores-de-três, já que você pode usar a mesma folha por todas as três lutas e já saberá qual a formatação do Pokémon adversário para as próximas lutas. Em grandes torneios VGC, que chegam a durar mais do que um dia, você também poderá verificar quem passou para os dias seguintes e estudar seus times, caso tenha lutado contra algum deles em um dia anterior (isso pois é vedado aos jogadores mudarem seus times no decorrer da competição e muito provavelmente você os enfrentará novamente).

A depender do espaço que sobra na folha, anoto em algum lugar coisas que eu preciso me lembrar, como que determinado Pokémon está com um move desabilitado ou com Encore e quantos de seus turnos já se passaram, ou que meu Charizard sobreviveu ao Rock Slide do Salamence dele, o que, nesse exemplo, me dá segurança para entrar com o Charizard frente à mesma situação em lutas futuras contra o Salamence daquele jogador.

Outro ponto importante para tomar nota e que algumas pessoas se esquecem é o número de vezes que cada move foi utilizado. Em VGC é muito comum o uso de moves que têm poucos PPs, então torna-se relevante notar que um dado Pokémon já usou o máximo de vezes possíveis determinado move e, provavelmente, seus PPs se esgotaram.

Por fim, embora óbvio, tenha em mãos várias opções com as quais escrever. Leve sempre consigo mais de uma caneta ou lápis (com borracha e apontador). Pode parecer desnecessário citar isso, mas você se surpreenderia com o número de pessoas que se desesperam em grandes torneios por sua caneta estar falhando. Além disso, se estiver usando o bloco inteiro, escreva de maneira leve, de forma a não marcar as folhas que estão por baixo. Se sua escrita for mais forte, destaque a folha a ser usada. Isso porque você não poderá usar uma folha que aparente estar marcada, o que te deixaria sem papel em momentos decisivos do torneio. Usar uma prancheta transparente e colocar a folha nela também é uma boa opção.

Caso você tenha qualquer problema com suas notas, como por exemplo o fato de um juiz dizer que não entendeu algo ou questionar seu uso de folha com o modelo (mesmo não tendo nada escrito), você sempre pode optar por levar o caso para o Head Judge, que é o juiz principal, cuja função é determinar de maneira definitiva o que pode ou não nos casos que geram dúvida.

Ganhando ou perdendo, salve todas as partidas que fizer em um torneio e, ao assisti-las, consulte suas notas e tente entender o porquê de você ter tomado determinadas decisões e se suas anotações foram condizentes com o necessário. Pergunte-se novamente quais seriam seus Leads e qual seria a estratégia usada naquela batalha. Com a constante reflexão e análise críticas de nós mesmos poderemos ser sempre treinadores melhores e competir em um nível cada vez maior.

Boa sorte nas lutas!

Texto originalmente escrito no site da Liga Pokémon de São Paulo.


Treinamento Pokémon: Moves, Abilities, IVs, EVs e Natures

A maneira de se treinar um Pokémon preenche-se de inúmeros detalhes aos quais devemos prestar atenção. É muito importante que nos atentemos a todos eles para que os Pokémon possam alcançar o seu nível máximo de efetividade em uma batalha.

Por sorte esse tipo de treinamento encontra-se bastante facilitado em comparação a como precisava ser feito tempos atrás, mas ainda assim demanda a atenção do jogador. Abaixo segue um guia completo de quais são esses fatores tão importantes aos quais devemos nos atentar.

Para que possamos indicar de forma mais palpável as informações às quais iremos nos referir, tomaremos como exemplo a tela de treinamento de um Greninja. A tela onde podemos obter essas informações pode variar o seu layout entre um jogo e outro, mas os dados continuam os mesmos. Vamos a eles.

Os Moves

Moves são os golpes (ou movimentos) que o Pokémon possui. Cada Pokémon pode possuir até quatro Moves. São divididos nas categorias Physical (físicos), Special (especiais) e Other (outros). Moves pertencentes às categorias Physical ou Special têm por característica primária causar dano, enquanto que aqueles que se incluem na categoria Other não o causam, implicando somente na ativação de um efeito específico para a batalha.

Os Moves são aprendidos de diversas maneiras. Na mais simples o Pokémon aprende um golpe naturalmente a medida que sobe seu Level. Há casos em que apenas a pré-evolução do Pokémon aprende determinado golpe. Os golpes podem ser ensinados através de TMs, HMs (obs: HMs não estão presentes em Pokémon Sun/Moon) e também por Move Tutors. Ainda mais, existem casos em que alguns Pokémon conseguem alguns golpes apenas via eventos de distribuição da Nintendo.

Por último, há os Egg Moves: esses são golpes passados para um Pokémon filhote através de cruzamento, os quais podem ser passados tanto por parte do Pokémon pai quanto do Pokémon mãe. Se você quiser ensinar para um Pokémon filhote um Move que teoricamente ele só aprenderia em um level alto, o pai e a mãe precisam possuir esse mesmo golpe. Se o Move já for um Egg Move, basta que o pai ou a mãe o possuam. Isso é uma prática bem comum para ter Pokémon jogáveis para o metagame Little Cup, onde apenas Pokémon bebês competem.

Cumpre destacar que na geração Sun/Moon foram criados os Z-Moves, os quais somente podem ser usados uma vez na partida e por cada jogador, considerando os times na sua totalidade. Trata-se de um golpe mais forte ou com características diferentes do normal, permanecendo vinculados a um tipo ou a um Pokémon ou golpe específicos. São uma verdadeira carta na manga que terminou por inovar ainda mais as surpresas que uma partida pode carregar.

O melhor lugar para saber quais Moves um Pokémon aprende e como os aprende é a Pokédex do Serebii.
O local ideal para saber como cada Move opera em batalha, é a Attackdex da Smogon.

As Abilities

Abilities, ou Traits, são habilidades que o Pokémon possui e que interferem de maneira considerável na luta. Cada Pokémon somente pode possuir uma Ability, a qual lhe é atribuída de maneira praticamente sortida dentre uma lista de possíveis Abilities que este pode ter, no máximo de duas. Contudo o fator sorte chega a ser irrelevante, pois desde a Geração X/Y as Abilities de um Pokémon podem ser trocadas com a utilização do item “Ability Capsule”. Ao cruzar um Pokémon, a Ability do filhote será aleatória.

Na geração B/W foram criadas as Hidden Abilities, permitindo que determinados Pokémon tivessem acesso a uma terceira Ability. Essa, por sua vez e para a nossa infelicidade, não poderia ser alcançada com o uso do item “Ability Capsule”, tornando necessário que o Pokémon já fosse adquirido portando a sua Hidden Ability. As formas de se obter os Pokémon nessa condição foram variando à medida em que novos jogos eram lançados. Inicialmente os Pokémon com habilidades ocultas eram obtidos apenas através do Dream World, porém em Black 2 e White 2 já havia a possibilidade de capturá-los. Na geração X/Y há como capturá-los na Safari Zone e em Horde Battles. Nos jogos Sun/Moon é possível obter as Hidden Abilities em Pokémon encontrados em SOS Battles. Alguns Pokémon de evento também vêm com suas Hidden Abilities.

É possível transferir a Hidden Ability para o filhote através de cruzamento. Tanto a mãe quanto o pai podem transferir a Hidden Ability, contudo o macho o faz com uma chance menor do que a da fêmea. Especificamente, são 80% de a fêmea passar a Hidden Ability, enquanto o macho possui uma efetividade de apenas 20%. Caso ambos os pais possuam a Hidden Ability, as chances continuam a ser de 80%.

O melhor lugar para saber facilmente quais Abilities um Pokémon possui ou como as adquire é a Pokédex do Serebii.
O local ideal para saber como as Abilities operam em batalha, é a Abilitydex da Smogon.

Entendendo os Stats

Assim como em todo jogo de RPG, em Pokémon cada um dos monstrinhos de bolso tem seis Stats possíveis que determinam a maneira como ele irá reagir em uma partida. São eles: HP, Attack, Defense, Special Attack, Special Defense e Speed.

HP (Hit Points) é a quantidade de vida que o Pokémon possui: se atingir zero, ele será derrotado. O Atk (Attack) será o Stat considerado para definir o dano causado pelos golpes físicos, enquanto que a Def (Defense) será o Stat a definir a sua defesa a golpes dessa categoria. Com o SAtk (Special Attack) se estará levando em consideração o dano para os golpes especiais, enquanto a SDef (Special Defense), pela lógica, será o Stat defensivo contra os moves especiais. Por fim, a Spd (Speed) determina a velocidade do Pokémon: quem tiver o maior valor no Stat de Speed irá atacar primeiro. Se houver um empate nas velocidades, o primeiro a atacar será definido de forma aleatória.

Devemos compreender também que cada Pokémon já possui uma pré-disposição que irá determinar o grau de variação dos seus pontos de Stat. A isso damos o nome de Base Stat. Por exemplo, por motivos óbvios um Greninja no level 100 terá muito mais pontos de Sp.Attack do que um Froakie no mesmo level, pois os Base Stats do Greninja são muito maiores que os de sua pré-evolução. Vejamos:

Disposição de base stats. Greninja vs. Froakie.

Assim, destacamos que cada Pokémon tem um valor base que simboliza seus Stats finais e isso deve ser levado em consideração ao pensar quanto à maneira que ele deverá ser treinado. Por exemplo, muitas vezes um Pokémon com uma pré-disposição enorme para ter altos stats de Defesa obviamente não será efetivo se treinado para atuar de forma ofensiva.

O melhor lugar para consultar os Base Stats e a variação final de Stats de cada Pokémon, é a Pokédex do Serebii.
Para uma resposta visual mais facilitada, recomendamos a Strategy Pokédex da Smogon (Base Stats apenas), local de onde retiramos a imagem exposta acima.

Stats – Entendendo os IVs

Existe uma característica “oculta” no Pokémon chamada Individual Values, abreviada para IVs. Cada um dos Stats do Pokémon possui um IV que varia entre 0 e 31, independentes um do outro. Basicamente esses números correspondem ao potencial que cada Stat poderá ter, como se estivessem relacionados à “genética” daquele Pokémon. Cada valor de IV significa um ponto a mais no Stat, então é necessário que ele seja igual a 31 para se atingir o valor máximo possível de determinado Stat.

Isso significa que, por exemplo, se o Individual Value do Stat de Atk de um Pokémon for 31, ele terá o seu potencial máximo de Atk. Da mesma forma, se for 0, o seu Atk será o menor possível considerando aquele Base Stat. Para se utilizar um Pokémon competitivamente, o ideal é que todos os Stats, senão a maioria deles, tenham o valor igual a 31, a depender de cada situação.

Esse indicador é aleatório, porém é possível controlá-lo. Ao cruzar os Pokémon, o filhote herda três IVs dos pais. Ainda, se um dos pais segura um Power Item durante o cruzamento (confira sobre eles logo abaixo, quando falarmos sobre EVs), um dos IVs herdados será sempre o do Stat do Power Item que o estiver segurando. Desde a geração X/Y, se um dos pais segura o item Destiny Knot, serão herdados cinco IVs ao invés de três, o que é excelente.

Também desde os jogos X/Y, os Pokémon lendário e aqueles obtidos via Mystery Gift vêm todos com, no mínimo, três IVs iguais a 31. Já os Pokémon de Red/Blue/Yellow jogados através do Virtual Console são transferidos para o Pokémon Bank com, no mínimo, três IVs iguais a 31.

O indicador de IVs de um Pokémon é invisível! Você não terá uma noção dos IVs do mesmo ao analisá-lo de maneira crua em seu jogo. Contudo, o valor de cada IV pode ser identificado através de calculadoras online ou por meio de alguns NPCs que indicam a situação do Pokémon através de mensagens. Nos jogos Sun/Moon é possível visualizar os IVs do Pokémon através do botão “Judge” encontrado na Box.

Também nos jogos Sun/Moon foi inaugurado o recurso chamado Hyper Training, através do qual um Pokémon no level 100 pode elevar um IV até o valor 31 utilizando o item Bottle Cap (o item Gold Bottle Cap aumenta os 6 IVs). Esse recurso foi realmente inovador e facilitou de maneira gigantesca o treinamento de um Pokémon.

Por fim, a combinação dos valores dos 6 IVs irá determinar qual será o tipo do golpe “Hidden Power”, caso o Pokémon o possua. O Hyper Traing não interfere no Hidden Power, podendo então aumentar os IVs até 31 sem preocupações nesse output.

A melhor ferramenta para descobrir quais são os IVs do seu Pokémon é a calculadora de IVs do Serebii. Vale dizer que quanto mais elevado estiver o level do seu Pokémon, mais preciso será o cálculo.

Stats – Entendendo os EVs

EVs é a abreviação para Effort Values. Cada Pokémon que você derrota em meio selvagem irá fornecer uma certa quantidade de Effort Points para um determinado Stat. Essa pontuação é dada a todos aqueles que participam da luta contra o Pokémon selvagem ou também àqueles ligados com Exp. Share no seu time.

Cada Pokémon derrotado fornecerá 1, 2 ou 3 pontos de Effort para o Stat específico a ele. O limite de Efforts obtidos em cada Pokémon é de 510, sendo que cada Stat suporta no máximo 252 pontos de Effort.

A cada 4 pontos de Effort que um Stat tiver, ele (o valor do Stat) será aumentado em 1 ponto. Nesse sentido, por exemplo, se um Stat alcança o seu número máximo de Efforts (252 EVs) ele será aumentado em 63 pontos (252 divido por 4 = 63). Assim sendo, se o treinamento de Efforts for feito corretamente, sempre irá sobrar 2 EVs daqueles 510 possíveis, pois 510 dividido por 4 é igual a 127 e sobram 2 pontos, que nunca chegarão a ser efetivamente úteis.

Formas de acelerar o treinamentos de EVs:

Para aumentar os EVs do seu Pokémon você também pode usar os itens vitamínicos “HP Up”, “Protein”, “Iron”, “Calcium”, “Zinc” e “Carbos”, que dão, respectivamente, 10 pontos de Efforts para HP, Atk, Def, SAtk, SDef e Spd. Contudo, por padrão dos games você somente poderá usá-las nos 100 primeiros EVs a serem somados ao Pokémon.

Você também poderá equipar o item “Macho Brace” no Pokémon que estiver treinando. Esse item diminuirá a Speed durantes as lutas, mas irá dobrar o número de Efforts ganhos.

Você também pode utilizar os chamados “Power Itens”, que têm um funcionamento levemente semelhante ao “Macho Brace”. Para cada Pokémon derrotado, os Power Itens dão 4 EVs a mais em um Stat específico ao Pokémon que estiver equipado com um deles. São eles: Power Weight (HP); Power Bracer (Atk); Power Belt (Def); Power Lens (SAtk); Power Band (SDef); e Power Anklet (Spd).

Se seu Pokémon estiver infectado com o vírus “Pokérus”, o número de EVs ganhos também irá dobrar.

Desde os jogos Sun/Moon, o melhor recurso para treinar EVs são as chamadas SOS Battles. Nelas usa-se o item “Adrenaline Orb” de forma que aumente as chances de o Pokémon selvagem chamar ajuda, garantindo uma maior gama de Pokémon selvagens para derrotar e, assim, um treinamento mais veloz. É possível também aumentar EVs através de uma ilha do PokéPelago e também em algumas tendas no PokéPlaza.

Formas de remover EVs:

É possível retirar os EVs do Pokémon, o que é útil caso eles tenham sido adicionados incorretamente. Isso por ser feito através das Berries anti-vitamínicas. São as seguintes:

– Pomeg Berry - reduz 10 EVs no HP;
– Kelpsy Berry - reduz 10 EVs no Atk;
– Qualot Berry - reduz 10 EVs na Def;
– Hondew Berry - reduz 10 EVs no SAtk;
– Grepa Berry - reduz 10 EVs na SDef;
– Tamato Berry - reduz 10 EVs na Spd.

Quanto a isso, cumpre observar que se um Pokémon possuir mais de 100 EVs em um Stat, ao usar a anti-vitamina desse Stat o valor do EV será alterado automaticamente para 100, para a partir daí diminuir de 10 em 10 a cada uso. Ademais, nos jogos Sun/Moon também é possível diminuir os EVs no Pokémon Plaza através de algumas tendas.

Aplicando isso e descobrindo quantos EVs cada Pokémon fornece

Tendo a possibilidade de treinamento de EVs em mãos, é possível criar inúmeras variações estratégias para um Pokémon. Gostaria que ele fosse mais ofensivo? Treine EVs no ataque e/ou velocidade. Defensivo? O treinamento deve se voltar à defesa e/ou HP e assim por diante.

Competitivamente há inúmeras combinações de EVs, as quais dependerão de qual é a estratégia do Pokémon ou do time como um todo. Por exemplo, ter um determinado investimento em Speed pode garantir que o seu Pokémon ultrapasse outros tantos em velocidade, atacando primeiro e garantindo o K.O. do adversário. No nosso exemplo, esse ponto de raciocínio exige que sejam feitos cálculos para analisar a velocidade possível dos Pokémon adversários. Junto a esses fatores também será benéfico escolher a Nature certa para o seu Pokémon, o que será o tópico seguinte deste guia.

Para saber quantos pontos de EVs cada Pokémon te garante ao ser derrotado, consulte a relação fornecida pelo Serebii. Você também pode usar os links de atalho que separamos abaixo:

HPAtkDefSAtkSDefSpd

As Natures

As Natures podem ser entendidas como a personalidade do Pokémon (porque de fato o são). Elas são úteis pois aumentam em 10% o valor de um Stat do Pokémon, sob o preço de diminuir 10% o valor de outro Stat. Existem também Natures neutras, que não aumentam e nem diminuem Stats, mas o seu uso realmente não é recomendado.

Abaixo é possível conferir quais as Natures existentes e qual o efeito de cada uma sobre os Stats do Pokémon:

O que você deve querer aqui é descobrir qual será a Nature ideal para o seu Pokémon e, para isso, basta saber qual é o melhor estilo de jogo do Pokémon que deseja treinar. Por exemplo, uma Blissey possui um péssimo Atk, então você não irá deixá-la com Moves físicos (que baseiam-se no Stat de Atk), pois nunca será uma boa opção. Uma Blissey nunca fará uso de seu Stat de Atk, sendo assim procure para ela uma Nature que prejudique o Atk e aumente outro Stat que lhe seja mais útil.

Se decidir usar em seu Pokémon golpes que utilizando tanto o Atk como o SAtk (o chamado Mixed), escolha uma Nature que prejudique alguma das defesas, já que o propósito desse Pokémon será atacar e não defender. Se tiver boas defesas e for lento, você pode definir uma Nature que prejudique a Speed, e assim por diante. A ideia a apreender aqui é que sempre haverá algum Stat para receber um investimento melhor no seu Pokémon em troca de diminuir outro que lhe será praticamente inútil.

A Nature de um Pokémon é definida de forma aleatória no momento em que você tem contato com ele e esta não poderá em nenhum momento ser alterada, por isso é um dos fatores mais importantes a serem observados quando da definição de qual dos seus Pokémon treinar.

É possível transferir a Nature para os filhotes através de cruzamento se o pai ou a mãe estiverem segurando o item Everstone, havendo 50% de chance da transferência ocorrer. Também é possível determinar a Nature dos Pokémon selvagens, o que se dá desde que o primeiro Pokémon do seu time tenha a Ability Synchronize, havendo uma chance de 50% do Pokémon que aparecer ter a mesma Nature do portador do Synchronize – isso é extremamente útil para se capturar Pokémon lendários, já pensando em qual Nature será preferível tê-los. No caso dos Pokémon vindos através de Mystery Gift, não é possível influenciar qual será a sua Nature.

Dicas para combinações de IVs, EVs e Nature de forma efetiva

Abaixo seguem algumas dicas de combinações que devem ser utilizadas nos Pokémon Level 100, pois irão fazer diferença em uma partida:

– Ao usar o item Leftovers, você pode deixar o HP divisível por 16 para ser recuperado um ponto a mais de HP. Se for possível, coloque mais 4 EVs no HP, para ter o valor ímpar e tomar menos dano de Stealth Rock;
– Se for utilizar o item Sitrus Berry, deixe o HP par para ativá-lo com a metade do HP;
– Se o Pokémon tiver base HP acima de 100 e for utilizar Substitute, deixe-o no mínimo com 404 de HP, pois assim ele irá tomar um dano de Seismic Toss ou Night Shade e o Substitute não será quebrado;
– Se for usar uma combinação com 252 no HP e 252 em uma das defesas, utilize os quatro pontos restantes na Speed, pois eles não farão diferença nos outros Stats, mas na Speed eles poderão determinar se você é mais rápido que outro Pokémon com base idêntica;
– Se for usar uma combinação com 252 de um ataque e 252 de Speed, observe o valor base do HP do Pokémon. Se for par, não utilize os 4 pontos de EVs restantes no HP, pois assim o Pokémon irá ficar com HP ímpar, tomando mais dano de Stealth Rock. Utilize os pontos restantes em uma das defesas;
– Se os base Stats defensivos forem iguais, você pode colocar 4 pontos de EVs a mais na Def ou SDef para o adversário com a Ability Download ativá-la sobre o Stat ofensivo que você definiu;
– Se for utilizar Substitute para ativar uma Berry com um quarto do HP, utilize o HP divisível por quatro, assim o item será ativado após três Substitutes;
– Se for usar um time de Trick Room, utilize uma Nature que prejudique a Speed e deixe o IV dele igual a zero para obter o máximo proveito da estratégia;
– Se for usar o golpe Gyro Ball, utilize uma Nature que prejudique a Speed e deixe o IV dele igual a zero, para causar mais dano;
– Se for usar um Pokémon que não utilize ataques físicos, deixe o Atk com IV igual a zero, para tomar menos dano quando tiver o Status Confusion e também de Foul Play.


Como funcionam os eventos VGC?

VGC é a abreviação para Video Game Championship, o metagame de batalhas utilizado nos campeonatos oficiais da Pokémon Company – ou The Pokémon Company (TPCi), como preferir. Dentre as jogabilidades oficiais, pode não ser um eSport tão famoso como Dota ou League of Legends, mas sua competitividade é inegável e vem ganhando cada vez mais holofotes nos últimos meses. A Red Bull Games inclusive já publicou uma matéria sobre o VGC, vale a pena conferir.

São inúmeros os torneios jogados sob essas regras, que podem se dar por simples apreço a elas, como os que ocorrem aqui na PokéEVO, ou até mesmo de forma sancionada, incluindo a sigla da TPCi e valendo pontuação no ranking oficial. Por fim, os melhores jogadores podem vir a se enfrentar no campeonato mundial de VGC.

O número de campeonatos sancionados no Brasil aumenta a cada ano e cada vez mais brasileiros estão em busca de se classificarem para o campeonato mundial. Contudo, mesmo que possamos dizer que a comunidade cresceu bem nos últimos anos, ela ainda é pequena se comparada a alguns países como Estados Unidos, Inglaterra, Espanha, Itália, Chile e Argentina. Abaixo traçamos um panorama de como funcionam esses eventos.

Como funciona o VGC Series

As temporadas começam e terminam a cada campeonato mundial, que normalmente acontece em agosto nos Estados Unidos. Basicamente temos então que, terminado o mês de julho, se você tiver pontos o suficiente (os chamados Championship Points, ou CPs), poderá jogar o mundial, que acontece no mês seguinte (agosto).

As regras, por sua vez, possuem validade para o ano como um todo, então teremos sempre um conjunto de regras válidas para 2017, outro para 2018, 2019 e assim por diante, sendo sempre atualizadas no início do ano em questão. Por isso, quando falamos do metagame VGC, nos referimos ao mesmo como VGC’16, ou VGC’17 etc., pois diz respeito às regras que eram válidas para 2016 e 2017, respectivamente, nesse nosso exemplo.

Em resumo:
Circuito de CPs (Championship Points) – Vigente do final de agosto ao final de julho do ano seguinte.
Regras Utilizadas - Válidas do início de janeiro até o final de dezembro de um mesmo ano.

E a classificação para o mundial, Valle?

A pergunta mais recorrente é: “mas como você consegue se classificar para o mundial?” Ela é uma ótima pergunta, pois para respondê-la é necessário explicar toda a saga de batalhas que o jogador deverá percorrer até garantir sua cadeira na competição internacional.

Bom, é “simples”. Aqui no Brasil, como em qualquer outro país, algumas pessoas podem se habilitar perante a Pokémon Company para poderem organizar torneios sob as regras e sigla oficiais do VGC. Esses eventos, obviamente, acontecem no meio físico – vale a pena conferir se há algum acontecendo na sua cidade, já vamos chegar lá.

Essas pessoas com autorização da TPCi recebem o chamado Certificado de Professor VGC e seus eventos, consequentemente, passarão a valer Championship Points (CPs). Comparecendo aos torneios que organizam e vencendo um número razoável de batalhas, você conseguirá juntar um certo número de CPs que, a depender, garantirão o seu convite para o campeonato mundial, incluindo, em alguns casos, até mesmo a viagem com tudo pago.

A quantidade de CPs necessários para receber o convite para o mundial varia de acordo com a região que foi registrada a sua conta na “Play! Pokemon“. Por exemplo, na América Latina são necessários 400 CPs. Já para os Estados Unidos ou Europa, como a competitividade é maior, já são 500.

Tipos de eventos que valem CPs

Os torneios ganham nomenclaturas diferentes a depender da forma como são jogados e/ou do número de jogadores que deles participam. Podem ser classificados em:

  • Há também os Internacional Challenges, que são as competições online organizada pelo Pokémon Global Link, bastante em alta ultimamente.

O tipo de evento também irá determinar a quantidade CPs que ele fornece, bem como outras premiações correlatas – há brindes e inclusive premiação em dinheiro no VGC. Você pode consultar essa relação nas páginas que linkamos na lista acima ou no acesso geral do site da Pokémon Company,  clicando aqui.

Comunidade internacional de VGC

Assim como a Smogon é a principal comunidade sobre o metagame tradicional de Pokémon, a comunidade VGC também possui a sua referência. Ele se chama Trainer Tower (http://www.trainertower.com/) e conta com um vasto número de informações sobre o modo de jogar VGC, com os principais movesets dos Pokémon e inclusive um banco de dados dos times utilizados em campeonatos na Europa e Estados Unidos. Além disso a Trainer Tower também possui um fórum de discussão, no qual é possível interagir com grande parte da comunidade.

Grande parte dos torneios, como Midseason, Regional e Internacional são streamados via Twitch nos canais oficiais da Pokemon Company, ou até em canais dos próprios jogadores que deles participam. Vale a pena ficar de olho no calendário de eventos e fórum que a Trainer Tower mantém para saber quando e onde irá rolar a stream.

Comunidade de VGC no Brasil

Como dito anteriormente, a comunidade de VGC no Brasil é pequena, por isso não espere encontrar salões lotados como os das imagens acima.

A maioria dos eventos daqui ficam restritos às regiões de São Paulo (SP), São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Fortaleza (CE), uma vez que 90% dos torneios sancionados no Brasil ocorrem nessas cidades. Outras cidades do país possuem Professores VGC, mas não conseguem atingir o número mínimo de jogadores – que é de oito – para que possam ocorrer torneios.

Outra dificuldade encontrada pelos jogadores para conseguir o convite para o Mundial é que, dado o número limitado de pessoas, acabam não acontecendo torneios importantes como o Regional e Nacional (que valem mais pontos), o que dificulta o acúmulo de um número considerável de CPs e faz com que seja quase impossível algum brasileiro conseguir as “PaidTrips”, viagens com tudo pago, que são destinadas aos cinco melhores jogadores da América Latina.

Ainda assim, a comunidade de VGC no Brasil luta para ganhar força e em partes vem conseguindo. A comunidade VGC organiza-se e mantém-se informada em um Grupo de Facebook (https://www.facebook.com/groups/vgcbr/), no qual são divulgadas informações sobre torneios no país, times utilizados pelos jogadores e também são realizados torneios online para que os mais experientes possam treinar os mais novos. Tudo o que você precisa para começar e se inserir no metagame você encontra no Grupo.

Apesar da dificuldade, não desanime de buscar sua vaga para o mundial! Esse ano a cidade de São Paulo receberá o torneio Internacional da LatAm, nos dias 20-23 de Abril e será uma oportunidade única para conhecer o metagame, jogadores do mundo inteiro, ganhar experiência e começar a correr atrás de CPs para a próxima temporada.

Estamos buscando fortalecer a comunidade VGC aqui no Brasil e carregar o brasão oficial da Pokémon Company. Para isso, precisamos de ajuda. Junte-se à comunidade também e vamos nessa!